Conheça as principais consequências da obesidade.

O que é a obesidade?

A obesidade trata-se de uma doença crônica causada por diversos fatores, caracterizada pelo aumento da reserva natural de gordura até o ponto em que passa a estar associada a determinados problemas de saúde ou ao aumento da taxa de mortalidade.

O resultado do balanço energético positivo do corpo é a obesidade, ou seja, o indivíduo está gastando menos energia do que a gerada com a ingestão alimentar.

Consequências da obesidade.

Entre as consequências frequentes da obesidade para a saúde, estão incluídos problemas psicológicos como depressão e baixa autoestima e problemas físicos como as doenças cardíacas e diabetes.

Abaixo, portanto, vamos relacionar diversas consequências da obesidade para o organismo. Algumas são muito sérias e merecem atenção, cuidados e acompanhamento médico:

Diabetes tipo 2.

A obesidade proporciona um maior risco de desenvolver diabetes tipo 2, que é uma doença crônica e que atinge a forma como o organismo faz a metabolização da glicose, que é a principal fonte de energia do corpo. Quando a diabetes tipo 2 não é tratada, pode vir a ser fatal.

consequências da obesidade

Acidente vascular cerebral.

Acidente vascular cerebral ou AVC, também conhecido popularmente como derrame cerebral, é uma doença que se caracteriza pela rápida perda de funções neurológicas em virtude do entupimento ou rompimento de vasos sanguíneos do cérebro. A doença pode ser fatal ou deixar sequelas terríveis, condenando a pessoa a ficar vegetando em cima de uma cama por vários anos.

Doenças cardíacas.

A pessoa com obesidade tem um maior risco de desenvolver doenças cardíacas em virtude do acumulo de gordura no interior das artérias. Doenças cardíacas são muito sérias e exigem acompanhamento médico constante.

Hipertensão arterial.

A hipertensão arterial trata-se de uma doença crônica causada pelos altos níveis de pressão nas artérias, obrigando o coração a realizar um esforço maior para fazer o sangue circular pelos vasos sanguíneos. A pressão alta exige do indivíduo muitos cuidados, dietas especiais, equilibradas e balanceadas, além de mudança no estilo de vida, que deve ser o mais saudável possível.

Insuficiência renal.

Outra séria consequência da obesidade é a insuficiência renal. A doença caracteriza-se pela falência dos rins, que ficam incapacitados de realizar suas funções satisfatoriamente, ou seja, os rins não conseguem filtrar o sangue, o que vai gerar um acúmulo de substâncias tóxicas no organismo do indivíduo.

Leia mais sobre obesidade:

Aumento do colesterol.

O colesterol é uma gordura, ou lipídio, encontrado naturalmente em nosso corpo e tem função essencial para o funcionamento adequado do organismo. O colesterol está presente em alimentos de origem animal tais como carnes, ovos e leite integral.

Contudo, o excesso de colesterol no sangue não faz bem ao nosso corpo e promove um maior risco de desenvolvimento de doenças do coração. Diversos fatores podem contribuir para o aumento do colesterol, entre eles, predisposições genéticas ou hereditárias, sedentarismo e, claro, a obesidade.

Aumento do nível de triglicerídeos.

Triglicerídeos é um tipo de gordura presente na corrente sanguínea e fica armazenada no tecido adiposo do corpo do indivíduo. Quando o nível de triglicerídeos está alto, existe uma associação ao aumento no risco de doenças coronarianas e até o desenvolvimento da diabetes. Menos agressivo do que o colesterol, os níveis altos de triglicerídeos muitas vezes são ignorados por quem tem o problema, o que é um erro grave, pois deve ser tratado com o mesmo cuidado que é dispensado ao colesterol alto.

Problemas nas articulações.

O excesso de peso costuma causar um desgaste precoce em diversas articulações do corpo, como as da coluna vertebral, joelhos, tornozelos e quadris. O sintoma mais incômodo de problemas nas articulações são dores, muitas dores.

Risco de câncer.

As pessoas obesas tem maior risco de câncer, consequentemente, a perda de peso é uma importante maneira de prevenção. A obesidade perde apenas para o tabagismo quando o assunto é “risco evitável para o câncer”.

A atividade física também é uma das melhores formas de prevenção, pois, além de auxiliar na perda de peso, diminui o tempo de transito intestinal, colabora para uma melhor metabolização dos alimentos e faz muito bem para a saúde do corpo como um todo, diminuindo o risco do surgimento de câncer.

O excesso de gordura prejudica o funcionamento adequado dos órgãos, pois o nosso organismo tem dificuldade de lidar com grandes quantidades de gordura acumuladas, o que proporciona o surgimento de diversas doenças relacionadas á obesidade.

mais dicas de saúde...