Obesidade na gravidez: os riscos para a mãe e o bebê.

Obesidade na gravidez.

Pesquisas realizadas apontam que a obesidade é uma doença que já atinge quase 45% das mulheres em todo o país.

Porém, é quando as mulheres querem engravidar que elas mais se dão conta de que precisam emagrecer e levar uma vida mais saudável, já que a obesidade na gravidez traz riscos bem maiores, tanto para a mãe, quanto para o bebê.

As pesquisas também mostram que mulheres que estão acima do peso têm 8% a menos de chance na hora de engravidar, e esse número aumenta para 34% quando a mulher está obesa.

O grande problema, contudo, reside no fato de que a mulher que não se alimenta de forma saudável tende a levar esse mau hábito para o período de gestação e acaba engordando mais do que o recomendado, podendo causar sérios problemas de doenças para ela e o filho.

obesidade na gravidez os riscos para a mãe o e bebê

A obesidade na gravidez traz riscos para a mãe e o bebê.

Os riscos da obesidade na gravidez.

As mulheres que estão bem acima do peso, têm mais chances de, durante o período gestacional, desenvolverem hipertensão, diabetes e terem até pré-eclâmpsia.

Mulheres que desenvolvem a hipertensão gestacional e não conseguem controlar a pressão arterial durante os nove meses, tem o parto induzido mais cedo do que normal, já que mãe e bebê correm risco de morte caso a pressão arterial fique ainda mais alta. Em consequência disso, o bebê pode nascer com uma série de problemas.

Já no caso da diabetes gestacional, as complicações podem ser ainda maiores. A doença, que está associada muitas vezes à obesidade na gravidez, se caracteriza pelo aumento dos níveis de açúcar no sangue e, normalmente, só é descoberta quando a mulher está completando o sexto mês de gestação.

Com o ganho de peso excessivo da mãe, as chances de o bebê nascer muito grande são altas e, com isso, ele pode apresentar insuficiência pulmonar, traumatismo na hora do parto e até icterícia.

Para os bebês cujas mães sofreram com a obesidade na gravidez, os riscos são bem grandes, já que o peso excessivo também está associado ao aumento do índice de mortalidade logo após o nascimento, o que eleva as possibilidades de o bebê nascer com algum defeito no tubo neural, como meningocele, anencefalia, meningomielocele, hidrocefalia e encefalocele.

Por isso, se a futura mamãe estiver acima do peso, é importante que, mesmo antes de engravidar, procure ajuda especializada, visando melhorar a alimentação e tentar perder o peso excessivo.

Considere ler também:

Agindo dessa forma, irá conseguir controlar a obesidade na gravidez, aumentando muito a probabilidade de desfrutar de uma gestação tranquila e sem complicações para ela ou para o bebê.

Se o conteúdo deste artigo foi útil para você, continue recebendo nossas atualizações visitando e, se possível, curtindo a nossa página @TemploDoCorpo no Facebook.

Você pode gostar...